domingo, 17 de junho de 2007

Sonhos meus em sonhos (de) outros



Os meus sonhos tornam-se realidade pelas mãos e pelos olhos deles. Hesito entre a alegria de saber que o fazem e a tristeza de ver os meus ainda longe de terem o corpo, o rosto de um castelo.

Ontem, a entrada no espaço, a entrada no tempo. As portas que se nos abriram não foram em vão, abriram janelas de par em par ao tempo que virá, o tempo que um dia chegará.

~CC~~

Foto captada em: http://www.oespacodotempo.pt/pt/media.php?idpan=media

8 comentários:

JvTorres disse...

Outra foto linda... Vais ter que me dar umas aulitas.... Bjs
João

CCF disse...

João...pelas outras sim, mas esta não...não sou a autora e só alguma pressa justifica a omissão e o hábito de colocar sempre coisas minhas...esta pertence aos próprios. Mas acredita que aulas lá é que é...é fantástico.
~CC~

Jota disse...

É um espaço notável e uma bela cidade. :)

CCF disse...

Jota, conheces o Espaço do Tempo?
~CC~

Jota disse...

conheço o convento da saudação e já lá fui a uma iniciativa "danças com letras", creio que é este o nome.

Jota disse...

Pois, "Danças com Livros", bem me parecia que estava algo "ao lado".
Gostei muito. Aliás, Montemor parece-me uma excelente alternativa para.. viver. Um pé no Alentejo e outro a caminho de Lisboa e a cidade com um conjunto de coisas muito interessantes - a livraria Fonte de Letras, a Marca - Associação de Desenvolvimento Local, etc:)

CCF disse...

E acrescenta a Oficina da Criança(ludoteca mas muito mais...) e as Oficinas do Convento(dedicadas às Artes Plásticas)...mas fiquei também a saber pelas palavras de duas mulheres de Montemor que me guiaram quanto é difícil tecer a teia para que a população de lá também se envolva. Talvez daqui a uns tempos possa trazer mais notícias.
~CC~

Cristina GS disse...

Vou contar-vos um segredo: sempre sonhei viver numa casa branca caiada (não pintada) e, a ser assim, seria concerteza no Alentejo. Naquele calor que, no meio do torpor, nos faz ter consciência até dos nossos ossos. Montemor. Montemaior. Sem dúvida um belo sítio para viver.E recriar o espaço e o tempo.